domingo, dezembro 17, 2006

Crónicas Nocturnas # 106

Na segunda o Simões convidou-me para ir com ele ao Casino de Lisboa, para irmos ver a actuação ao vivo dos Koop. Sendo assim, lá fui eu, o Simões e a esposa vê-los. Conseguimos arranjar um lugar porreiro num dos pisos superiores do casino, de onde víamos bem o palco. Ao início tocava uma banda que fazia “covers” de temas de Soul/Funk/Jazz/Blues...muito agradável. Pelo meio ainda assistimos a um número de trapezismo que era bastante engraçado. E, a seguir, a razão pela qual lá fomos...os Koop. Gostei muito do concerto, sempre numa toada muito “jazzy”, e, quase sempre, com a voz (e presença) sensual da vocalista Yukimi Nagamo. Foi um concerto que pedia um local mais íntimo, mais acolhedor, não tão impessoal como o Casino, cheio de “slot machines” e dos habituais viciados no jogo. Os próprios Koop até brincaram com a situação, a dizer para nos aproximarmos mais...eheheh (só se tivéssemos asas...eheh). Mas de resto conseguiram-me seduzir com a sua mistura entre um Jazz típico das décadas de 30/40/50 e as possibildades que as novas tecnologias apresentam. Pena uns gajos que estavam atrás que passavam a vida a assobiar de uma forma estridente (tão estridente, que quase me furava os tímpanos...). Não havia necessidade, e este não era um tipo de concerto que pedisse coisas deste tipo...enfim...

Na quinta lá regressei para a minha residência habitual no ADN. Esteve fraquita a noite, mas depois de dois fins de semana prolongados, e de esta ser a última semana de aulas para muita gente, antes das férias de Natal, e, consequentemente, ser aquela semana onde se fazem os exames todos em catadupa e coisas do género, já se esperava que a noite fosse estar mais calmita. Comecei com cenas mais Disco, como Lindstrom, Prins Thomas, The Jacksons, Michoacan, Brennan Green, Blackbelt Andersen, Francisco, mas com a chegada de mais pessoal, comecei a passar coisas como Marc Romboy, Freestylers, 20/20 Soundsystem, The Rapture, Serge Santiago, Dubble D, Joakim, Krikor, Akabu, M.A.N.D.Y. , Booka Shade, Tiga, MSTRKRFT, entre outros. Apesar de tudo, gostei da noite, e para a semana acredito que vá estar mais animado...eheheh.

Na sexta iniciei a noite no Baco, onde me encontrei com o Simões, e por lá estivémos na conversa, bem balançados pelas sonoridades mais “chill-out” passadas pelo Paulo aka Papal. É sempre um prazer estar á conversa com o Simões, e tem sempre histórias giras para contar...eheheh.

Depois fomos ao Bombar, que já estava bastante animado, e onde se ouviam sonoridades mais Nu-Jazz. Por lá encontrámos mais pessoal amigo, e ficámos por lá na conversa.

A seguir fomos ao Tribux, onde deveria estar o Pedro Tiago a passar som, mas, devido a, subitamente, ter apanhado uma gripe daquelas, teve de ficar em casa a recuperar, e, como tal, estavam-se a ouvir sets que o Hélder, o dono do Tribux, tem para lá no computador dele. Apesar de tudo, o Tribux até estava animado.

A seguir fomos para o ADN, para festejar o 6º aniversário das noites Glooop no ADN, noites da responsabilidade do Pedro Viegas. Nesta noite houve uma actuação dos Teenage Fuckfest, ou seja, Pedro Viegas ao comando dos pratos, e China ao comando da guitarra eléctrica. E ó China, que guitarra...em V, a fazer lembrar as que víamos em telediscos de Hard Rock/Heavy Metal dos anos 80. O set foi variado, andou-se por entre sonoridades mais ligadas ao Breakbeat, Electro, Hip-Hop, Dub e até Dubstep (quem não conhece este estilo, aconselho ouvir os discos de malta como Burial, Kode 9, Space Ape e Skream...), com as guitarradas do China em perfeita sintonia com os temas que o Viegas passou. Giro também as imagens projectadas pelo Pi (acho que é este o nome artístico dele..se não fôr, corrijam-me, se faz favor). ADN completamente ao rubro, com o pessoal a curtir bué (e nem estranharam muito o ocasional tema de Dubstep, que acaba por ser mais dançável do que se pensa...é diferente ouvir Dubstep em casa, e depois ouvir num clube...). E será que já mais alguém teve a ideia de ter um gajo a tocar guitarra por cima de temas de Dubstep?

Saído do ADN, dirigi-me para o Porto de Abrigo, onde se iria realizar o 1º dia da festa Weekend At Berlim. Chegado lá, já se encontrava o Paulo Nupi ao comando da cabenie de som. O som era bom, como é habitual nele, e bastante típico do que se ouve em Berlim...recordo-me de ter ouvido coisas como No Stoppin` dos M.A.N.D.Y. , o já clássico Dance With Me dos Underground Sound Of Lisbon, My Bleep de Radio Slave, a remistura de Jesper Dahlback ao Jack 2 Jack dos Panash, a versão de A Hundred Birds ao Rej do Âme, entre outras coisas que não reconheci, ou que já não me recordo. E, como sempre, as imagens do João Vida deram um colorido especial á coisa. Pena foi em termos de público, ter estado aquém do esperado. O facto do evento ser ao ar livre, apesar de a pista ser num sítio tapado, não ajudava (e não custava ter posto uns aquecedores á volta da pista de dança...digo eu...), mas mais grave, na minha opinião, foi a falta de publicidade a este evento. Nos sítios em que tinha estado, durante a noite, verifiquei sempre se haviam cartazes a fazer referência ao Weekend At Berlim, e a triste realidade é que não havia nem um. E sempre que mencionava a pessoal amigo/conhecido meu a existência deste evento, ficavam surpreendidos, pois não tinham conhecimento de nada (só os que lêem habitualmente o p0werup ou ouvem o Setúbal Dance Night sabiam...). Perguntei a um dos organizadores da festa a razão de não haver publicidade em sítios como o Baco, Bombar, Tribux, etc...foi-me dito que havia publicidade espalhada pela cidade...ok, acho isso bem, mas devia de ter havido também nos sítios chave, para ao menos as pessoas terem conhecimento que existia mais essa escolha. Seja como fôr, estas iniciativas são sempre de louvar, e espero que não desanimem, nem desistam de organizar mais festas deste tipo, porque a noite de Setúbal precisa deste tipo de eventos, mas não descurem certos pormenores que são importantes...

No sábado iniciei a noite no Baco (para variar, né?), e, mais uma vez esteve-se bastante bem. Esteve lá do DJ Jimmy (que também toca guitarra nos Louie Djimé), a passar sonoridades entre o Rock mais clássico (Doors, Jimmy Hendrix), Funk e Afro-Beat...muito nice, e boa onda. Baco animado.

A seguir fui ao Tasco do Kaneco, onde estava o Abel a passar som, dentro daquela onda mais variada tão usual nele...Passou por vários estilos diferentes como Jazz, Funk, Disco, Rock, Electro, Deep-House, Filtered-House...como sempre, ele prometeu que deixava nos comentários a “playlist”...eheheheh. Kaneco animado, embora não tanto como na semana anterior.

A seguir fui para a Festa de Natal do MXL, onde já se encontrava o Rogério aka Roger Urb a passar som. Foi também a festa de apresentação do novo projecto/pseudónimo Re: Solution, onde o Rogério dá largas a uma vertente sonora mais virada para o Electro/Acid/Minimal e coisas á volta (pois o nome Roger Urb é mais associado a sonoridades mais Deep/Funky House). O MXL estava mesmo muito animado, e o Rogério não deixou que a animação cessasse, sempre com sonoridades bastante dançáveis e até abrasivas (no bom sentido da palavra). Não faltaram á chamada nomes como Marc Romboy, John Dahlback, Booka Shade, Stephan Bodzin, Tiga, entre outros, que levaram o pessoal ao rubro, tudo a dançar de forma frenética. Depois do “warm-up” set que ouvi o Rogério fazer na noite em que o DJ Vibe foi ao Clubíssimo, nem podia esperar outra coisa dele...eheheh. Por lá também vi montes de malta conhecida e amiga, inclusivé o Del Costa, que hoje vai estar connosco no Setúbal Dance Night...a não perder.
A seguir, para finalizar a noite, entrou o DJ residente, o Sardinha, que continuou na mesma toada, não deixando o público esmorecer, até ter recebido ordens para desligar a música. Ao contrário da festa de Natal do MXL no ano passado, que foi num espaço maior, este ano optou-se por uma festa de teor mais íntimo, mais acolhedor, como se estivéssemos numa daquelas festas privadas em que só encontramos pessoal amigo. Soube bem. No fim, ainda assisti ao pessoal a desmontar o material que tinha sido lá colocado, que me fez lembar quando há já uns anos ajudava também amigos meus a montar e desmontar o material em festas que fazíamos, fossem elas privadas, ou fossem as já míticas festas no TGV...é sempre a parte mais lixada da noite, o “after-party”...

Entretanto, durante a festa do MXL, uns moços amigos meus tinham comentado que tunham ouvido dizer que havia “uma free-party de Electro no Porto de Abrigo”. Saídos do MXL, fomos verfificar se de facto era verdade, mas não, não passava de boato, mesmo...eheh. Enfim, Setúbal...eheheh.

E ainda acabei a noite no Clube do Rio, pois ao passar por lá, encontrei o João Moço e o Paulo á porta, acabei por ficar na conversa com eles, e ainda ouvimos o final de noite, em que estava lá o Rui Pedro a passar som, a passar aqueles temas mais conhecidos de Electro e congéneres. Soube que esteve bastante cheio.

p.s. Tal como já foi referido, a não perder, hoje, no Setúbal Dance Night, na Rádio Voz, 100.6, a entrevista com Del Costa, que vai apresentar e falar do seu novo projecto, Magazino. Iremos também falar do 2º aniversário do p0werup, além da selecção musical ser feita por mim, portanto, a não perder...eheheh.

18 comentários:

Abel Santos disse...

Para quem não sabe como deveria ser a noite e a atitude de quem nela sai, aqui fica a declaração de intenções das lendárias noites Body & Soul - NYC:

OUR STATEMENT OF INTENT
Music brings us together. Body & SOUL is here because of Music; Music we love, Music we share. .....Music that can touch us in the most intimate way.
Following on the footsteps
Since the early 70's, there have always been parties in the city where people got together and danced in a safe and congenial atmosphere. Where friends were made and where our love for Music could be celebrated. Where you felt special for being part of it, yet at home enough to truly relax and let go on the dance floor, together. Some of those parties became legends, others by now long forgotten...... but the need is still here today for the same basic setting.
Our philosophy.
We would like to feel that Body & SOUL is like a house party that got too big for someone's living room, so we had to find a more appropriate venue for it. It should be a place where everyone feels welcome, regardless of age, sex, color or social attributes. A way for people from different walks of life to find common ground and establish friendships. A place where we can find inspiration, solace and a renewed expression of the unique and joyous nature of The Party. An opportunity to let one's guard down and truly share and celebrate the most vibrant energy that Music and dancing give us. A breeding ground for new ideas and concepts as well as a proud link to our musical heritage. Hopefully, an environment which will provide all of us with a much needed spiritual and peaceful experience, whether through Music or other forms of artistic expression.
An open-minded music policy.
Any party, over the course of time, develops its own identity. One of the things that make this one different is that we usually feature a team of DJ's informally playing music together. Since we believe that dancing is a universal language, we strive to play a wide variety of different sounds and styles, new or old, without bias towards or against any specific format. The accent is on deep, soulful grooves with an uplifting message.
What's expected of those who attend the party.
As in any social gathering, any members and their guests should behave in a manner which is respectful of others (including our staff), and as well of themselves. Body & SOUL is a gathering of like-minded individuals, none of whom are more important than others. Therefore, we must treat others with courtesy and civility at all times. Please keep negative vibes at home, or at least at the coat-check when you come in. We all have bad days, but shouldn't feel obliged to share them with everyone else. We hope that coming to the party will help you be in a positive frame of mind! Suggestions to our staff will be listened to as long as they make sense.
Where is this thing going ?
Where we all take it. So remember that your contributions will be what makes it special!

Abel Santos

AcidBoy disse...

Intenções utópicas, diga-se de passagem ...... De qualquer das formas não estás em NYC , e os tempos são outros. Estás Completamente desfasado da realidade nocturna, nacional e internacional !!!!!!!! AHH, já agora, poderias chamar ás tuas noites no kaneco : "BODY & SOUL" (how appropriet) ;D

Luis Soares disse...

Estive no novo bar do Belo, a decoração está sóbria, gira e denota bom gosto. O staff está bem vestido, o porteiro diz boas noites ao entrar e obrigado ao sair, portanto não está de acordo com a status setubalense. E agora sim compreendo o porquê daquela história publicada. A inveja é foda. Há que atabernar anoite da cidade e a mentalidade de quem nela trabalha, já que é essa a mentalidade daqueles que grosso modo aqui comentam. Enfim "la vie en rose".....

Electrobot disse...

Amigo Luís, naquela história "fictícia" e nos respectivos comentários, ninguém falou mal do porteiro, do "staff" ou da decoração (que eu, pessoalmente, acho gira)...criticou-se as atitudes do dono da casa em questão.

Não perceberei nunca como se pode ter inveja de alguém que tem um espaço que está constantemente a mudar de nome...no espaço de um ano e pouco já foi QB, já foi DKB, já foi Popeye`s e agora é Vinil...são 4 inaugurações num tão curto espaço de tempo...serei eu o único a achar isso estranho?

Luis Soares disse...

Nao, amigo, não é o nome que interessa mas sim o conteúdo. o Poppeye's não era do Belo mas sim do Rosário, dono do excêntrico que aproveitou para dara o golpe no homem.....uns têm a fama outros o proveito...

Electrobot disse...

Ok, durante uns (muito poucos) mesitos, não esteve o Belo naquela casa...so what? Não invalida em nada o que eu disse.

Simão aka DJ Putto Koça disse...

Luis Soares aka Belo, agora que estamos no fim deste 2006 deves colocar a mão na cabeça e refletir. Vai uma ajuda? Toma nota: Conheci todas as tuas casas, numa delas chegei a tocar embora com outra gerência, e cheguei a uma conclusão. 1- Decididamente és um optimo decorador, o Viny é a prova disso. 2- Enterras-te todas as tuas casas com o desejo de engatar gajas pra umas voltitas no tt descapotável. 3- Não tens aptidão para gerir o que quer que seja muito menos um bar ou club. 4-Até o domingos do Las Vegas faz melhor que tu. Soluções: Coloca o pinguim que tens a porta mais á vontade, está com ar de quem trabalha num bingo. O DJ é uma desgraça, porque será que foi despedido por sms do muita luz? Só sabe falar mal, parece uma gaja.
O bar está razoavel, a festa de berlim foi uma desgraça mas eles são boas pessoas. Acho!!!

Electrobot disse...

O que falhou, na minha humilde opinião, no Weekend At Berlim, foi a falta de publicidade em sítios chave onde se encontra o público-alvo para esse tipo de festa. A Suki, o Safara e o Ricardo são malta muito porreira, e cheios de vontade de fazer coisas, e fico com pena que as coisas não tenham corrido tão bem, mas há que ir em frente e não desanimar.

o lado sul da avendia disse...

"A desgraça da bola de berlim" deveria ser o nome do filme daquela pseudo-festa.

Meus amigos, nao brinquem ás festas, sejam profissionais!!!!!!!!!!!!!! Essa historia do "serem bons rapazinhos" faz-me lembrar aqueles agarrados que andam arrumar carros.
Mas assoarem-se sabem eles bem

luis soares disse...

Duas coisas
1 - Não me chamo Hugo Belo, chamo-me Luis Soares e sou de Azeitão e frequento a noite de setubal ha muito tempo
2 - Não me escondo atras de pseudonimos

Paul-B disse...

Passei por algumas casas que referes tipo na quinta no adn gostei de la estar apesar de poucas pessoas a companhia estava boa, sexta passei no tribux ainda bem cedo notei ausência de dj, depois andei um pouco por a avenida das pseudo tias (pessoal do grupo gostam disso) acabei a noite no adn gostei muito dos sons que la passaram e do pessoal... sábado andei no club do rio onde estivemos no fim da noite a falar... isto tudo para dizer que o que escreves é bem real.
Quanto ao Belo bom decorador de casas Setúbal não tem clientes para as casas dele ele pensa muito a frente boa sorte para ele apesar de não gostar do trabalho antigo dj do muita luz.

Saltinhos disse...

Obrigado a todos os que apoiaram mesmo em silêncio o Weekend at berlim.
Todo o Cartaz de Sexta-Feira foi cumprido, O cartaz de Sábado igualmente, sem as actuações do Eduardo e do Mario Camolas devido à alteração do espaço para o Bar Vinil.

Brincar às festas em setubal é algo que considero muito interessante para passar o tempo. Ao contrário de muitos não me recordo de dever $$ a ninguêm! Nem tão pouco de estar À espera de lucros da festa para pagar as minhas despesas.... Há Outros que consideram que é um negócio muito interessante, mas esses não tem processos no ministerio publico nem nunca foram multados por excesso de trafego.. Enfim Deve ser por isso que apareceu agora pessoal de lisboa a produzir festas cá, Até já tem 2 datas marcadas em janeiro .. Nós Somos uns mesmo uns incompetentes! Enfezadinhos sem geito nenhum :)

Woof Woof cuidado que o Rex morde :)

Há quem diga que estou mal habituado. Mas como eu como não tenho muita coisa para fazer da minha vida, vou continuar a não desistir.

Ricardo Amaral
In Spot

Temos poucos amigos na noite...

Victor Gaio disse...

Caro Ricardo Amaral
Desistir ainda bem que não faz parte do seu padrão de vida. Eu aplaudo, em pé, a sua persistência que o dignifica e no fundo nos motiva a copiá-lo. Recuso no entanto que Somos uns mesmo uns incompetentes! Enfezadinhos sem geito nenhum, tal como o Ricardo no fundo. O que não existe em Setúbal e deveria existir é coesão entre os Empresários. Ou seja desde que eu consiga olhar para o meu umbigo tass bem, o gajo do lado que se dane. Deveria haver uma "movida" criada por todos os que têm interesses na noite de Setúbal e não só empresários. Por mim, estou inteiramente disponível a participar e colaborar nesta "contra corrente" que devemos urgentemente e impreterivelmente criar. Qualquer ideia para uma festa de Setúbale para Setúbal e estou interessado em colaborar. Abraços a todos e feliz Natal
Victor Gaio

Gajo que gosta de ir a festas desde que saiba que elas existem disse...

Façam-me um favor.

Pra próxima festa que organizarem seja ela onde for, FAÇAM PUBLICIDADE!!!

Nem é muito caro nem nada!

Como querem que apareçam pessoas??

o lado sul da avenida disse...

quantas pessoas tiveram na vossa festa ??

Porque será que as pessoas ficaram a dormir em casa??

Será que fizeram de propósito para nao gastarem muito dinheiro a darem bolas de berlim ao povo??

Será que foram incompetentes na distribuição da publicidade??

Será que o facto de terem ignorado os bares da cidade, principalmente os alternativos, vos custou caro??

Será que os organizadores dessa suposta festa, têm algum historial em organização e produção de eventos??

Será que um bocadinho de humildade, nao vos ficava bem ??

Será que o Sr. Victor Gaio, nao tem razão??

Acho que deviam fazer estas perguntas a vós próprios e tentar no futuro melhorar. A persistencia é de louvar, agora a arrogancia e a incompetencia, podem manda-la ao rio, porque nao vos fica nada bem.
Ricardo, a união é a solução... mas acho que devias escolher bem com quem te unes. E mais nao digo.

ricardo amaral disse...

Caro, victor quando usei as palavras « Somos mesmo uns incompetentes! Enfezadinhos sem geito nenhum » , Foi sem qualquer duvida num tom de ironia em genero de desabafo, recuso-me a aceitar isso, em qualquer circunstancia. Muitas pessoas falam sem conhecimento de causa das realidades das casas, das festas, das pessoas... tomando como exemplo a forma como o vinil club foi tratado nestes comentários... seria bom os mesmos terem visto a forma Destruida como foi deixada, por "pessoas de bem".

Essa movida Setubalense tem de passar por todos, até pelos Curiosos como eu, certamente como sempre estou disponivel a apoiar qualquer iniciativa nesse sentido.

E sim nao vejo com bons olhos ter pessoas de fora a fazer em setúbal aquilo que juntos podemos fazer com o maior dos sucessos.

Recuso-me a fazer uma listagem dos eventos que já participei, não faz o meu estilo, gosto de trabalhar no silêncio e no vazio, Sempre com uma certeza tudo o q fiz foi fruto de trabalho honesto, não fruto de uma conjuntura.
Não vivo atrás da imitação e da acomodação!

Ricardo Amaral
In Spot

Parabens ao MXl pela sua festa de natal

Os maiores Sucessos para o Hugo Belo, que por acaso não faz ideia de como se comenta neste blog...

Dj Pop Pseudo-Fashion Boy´s disse...

Como pode haver união se a maioria dos novos empresários da noite de setúbal pensam que vão enriquecer em pouco tempo. Eles querem andar de descapotável e montar naquelas pseudo-mulheres que ja têm mais km´s que a A1. Não é que isso me afecte, mas o pensamento dos "donos" da noite é muito curto e basico. Tratem de educar os que chegam agora como clientes da noite e esqueçam o passado, porque esses clientes ja não querem saber de Setúbal.

P.S: Não batam mais no Belo que ele já anda marreco com tantas palmadas nas costas.

By: João Moço/
Setúbal Dance Night Productions

Roger Urb disse...

anda-se a falar muito, e a fazer pouco.
para quando um abrir de olhos por parte dos proprietarios/promotores da dita noite setubalense...
continuo a ouvir as mesmas queixas, ano após ano, e todos nós sabemos que temos "o" grave problema de estarmos a escassos quilometros de lisboa, mas sem apresentarmos alternativas decentes nunca será possível fazer frente, e criar um modelo de negoçio para setubal.
ja tivemos varios exemplos/tentativas que de uma maneira ou de outra findaram, mas tal não pode invalidar projectos futuros.
Mantenha a mente aberta, e falem menos....mas façam mais.