segunda-feira, outubro 27, 2008

Crónicas Nocturnas # 120

Sexta lá estive no ADN a ouvir o meu amigo Pedro Lontro. Já tinha saudades de o ouvir a passar música, pois ele é residente no Art Kaffé, que trabalha mais ou menos dentro do mesmo horário que o Baco, e, como se deduz, torna-se complicado ir ouvi-lo...eheh.

Em termos musicais, como sempre, o Pedro foi bastante eclético, passou música de diversos quadrantes musicais como Rock, Funk, Hip-Hop, Breakbeat, Soul, Ska, mas sempre com muito bom gosto e muito dançável. O ambiente estava bom e a casa composta, e fez-se festa (de tal maneira que no dia a seguir nem toquei numa pinga de alcóol...ai ai...).

No sábado fui ao CLUBOUT, no intuito de ir ouvir o Pedro Viegas. Chegado lá, estava a decorrer uma festa que, deduzo eu, fosse do Liceu, e onde estavam o Bass Kalash e o Sonic Fuse a pôr música (próximo sábado estarão também no Baco...). Já se estava na fase final da festa, mas ainda estava muita gente, tudo a delirar com as sonoridades Drum N Bass debitadas pelos dois DJs de serviço. Vejo que o Drum N Bass continua a ser um estilo com cada vez mais adeptos aqui por Setúbal, e, ao que parece, em vias de destronar estilos mais "convencionais" como o Electro, House ou Techno como a banda sonora de preferência do pessoal mais jovem. O Bass Kalash e o Sonic Fuse estavam a passar um Drum N Bass bastante enérgico, mesmo a puxar o pesoal para a dança, e o público respondia efusivamente e dançando também de forma enérgica...criando-se assim uma energia bastante positiva, que me fez sentir bastante bem, apesar de não ser um dos estilos da minha eleição...

A seguir entrou o Pedro Viegas, que tentou manter a energia com os temas com que entrou (um deles foi a remistura de Timo Maas ao Doom`s Night dos Azzido Da Bass), e consegui-o em parte, pois consegui manter na pista de dança pesoal que já lá estava desde a festa de Drum N Bass (e depois de um estilo tão enérgico, é complicado entrar com outros estilos diferentes...). A pouco e pouco também foi entrando mais pessoal, e a pista foi ficando novamente mais composta, e o Viegas foi pondo a malta a dançar com um set mais virado para o Nu-Breaks de tendência mais Electroide/Technoide. Foi mais uma noite porreira...agora os responsáveis pelo CLUBOUT têm de resolver aquele "pequeno" problema com as vibraçõe que se sentem num dos pratos, que por vezes fez com que a agulha saltasse e não permitisse ao Viegas trabalhar como deve de ser...por vezes tinha de baixar os graves quando passava discos nesse prato, senão a agulha estava sempre a saltar...e isso não é bom nem para o DJ, que não consegue estar fazer o seu trabalho como deve de ser, e nem para o público, que assim também não consegue desfrutar como deve de ser do set...Para a semana conto ir ouvir na sexta o Safara e o Vítor Silveira e no sábado os Disparo, e como todos eles passam maioritariamente vinil, espero que o problema já esteja resolvido, que não me apetece passar a noite a ouvir agulhas a saltarem...

No CLUBOUT encontrei algum pessoal amigo que já não via há algum tempo, e comentaram comigo que já não vinham a Setúbal há uns tempos, e que acharam a noite setubalense, no geral, muito estranha. Sentem que as pessoas, na sua generalidade, não saiem para se divertir, e que acham que anda quase toda a gente com um ar bastante tenso, e que o pessoal parece que sai cada vez menos aqui na zona...Gostava de saber a opinião dos leitores aqui do blog acerca disto, se concordam com isto ou não (comentários construtivos, se faz favor ;P ).

5 comentários:

vou ali e já venho disse...

«Gostava de saber a opinião dos leitores aqui do blog acerca disto, se concordam com isto ou não»

eh pá eduardo, não me lixes!
isso é o que pessoal há mais de um ano anda a dizer aqui na caixa de comentários. pode é não o dizer da maneira mais correcta, mas os sinais estão lá.

porque é que a noite não funciona em setúbal? basta olhar para os cartazes, flyers e programção. ou é preciso ir buscar o inspector gagdet para descobrir?

Anónimo disse...

Sem tirar nem pôr. Dispensável acrescentar seja o que for a este último parágrafo. É uma pena mas ainda tenho esperança de ver a animada noite Setubalense resurgir das cinzas na esperança de que esta seja só mais uma fase daquelas ciclícas que acontecem em tudo na vida, causada pelo desgaste que a mesma tem vindo a revelar. E que as pessoas, indeed, saiam alegres e para se divertir e deixem de o fazer apenas para observar como fazem ou como deixam os outros de o fazer. Se A, B ou C passa determinado tipo de som em qualquer que seja o sitio, não critiquem, façam melhor e de forma construtiva! Se bar A, B ou C não é do vosso agrado, façam um favor a vocês mesmos, não o frequentem e deixem quem gosta de o fazer lá ir divertir-se como bem entende. Cada um é como cada qual e, concordando ou não, apenas respeitando as idiosincrassias dos outros conseguiremos homeostasia nesta cidade e em especial na sua noite.

P.S - ainda ontem falava com um amigo e perguntava: «Então saiste cá ontem? Como estava a noite na aldeia, composta?» - pergunta á qual obtive a seguinte resposta: «Igual a si a mesma..». E mais não digo.. Eres lo qué hay. Quem quer diferente procura diferente, quem sai por cá, tentem DIVERTIR-SE! Mais que não seja para estar na companhia dos amigos.. ;)

Anónimo disse...

Concordo plenamente com o que foi dito pelo último comment.

Pena os anónimos que pensam exactamente como eu sobre a matéria não assinarem.

É que depois dizem que sou eu que ando a mandar bocas e não assino.

Ass como sempre - Abel Santos.

Carla R. disse...

Oi!
Vim aqui parar 'por acaso'.
Andava à procura de fotos do concerto de Capitão Fantasma no Capricho e póing, calhei aqui, li este post e aproveito para deixar a minha opinião...
Não sou de Setúbal, sou aqui do litoral alentejano, mas há uns anos lembro-me de ir para a noite em Setúbal e deslumbrar-me com a vida nocturna bastante agradável e familiar... as melhores noites de inverno eram por aí.
Agora já não passava pela noite de Setúbal há algum tempo, fui este Sábado, especialmente para ver Capitão Fantasma... tristeza minha quando dei por mim eram 9 e meia da noite e no centro de Setúbal haviam alguns 2 cafés abertos... resignei-me a tomar café num sítio nada agradável, num daqueles cafés de marca super conhecida e mais que caros (quando o que eu procurava era apenas um café simpático, onde quem está atrás do balcão não esteja ali só para servir).
Terminado o concerto, num sitio que muito gostei de conhecer, com um ambiente daqueles que já pouco se vê, O Capricho, tentei ir a algum lado... e nada! Setúbal é uma cidade fantasma... falta-lhe tanto aquela alegria de rua a que estava habituada. Enfim...! Voltei para a minha terrinha, onde ainda se podem beber uns copos fora de horas, sem ter de me dirigir a uma qualquer discoteca da moda.
;)

Anónimo disse...

Epah sim senhora...concordo com esta ideia do blog ter sido feito com a ideia de mostrar às pessoas a noite de Setúbal mas verdade seja dita, nunca vi um comentário que tenha sido minimamente construtivo para que a noite de Setúbal siga em frente em vez de seguir para trás como está a acontecer.

Antigamente lia o blog para me informar sobre a noite Setubalense, hoje em dia em vez de ir ao youtube ver o gato fedorento, venho a este blog para rir.

Fico triste sinceramente...